Exposição Individual - INTERVALOS.

 "Dirce Fett surpreende com esta nova fase de sua obra a que denominamos INTERVALOS. Conheci pela primeira vez as suas telas de largas dimensões apresentadas numa exposição individual em Porto Alegre, isso faz uns seis anos. Ricas em cores primárias, elas retratavam o universo tropical de forma figurativa, porém já sinalizando alguma tendência à abstração, eis que a artista não entrava em maiores detalhes formais. De lá para cá a transformação foi sensível, tendo-se produzido indiscutível desconstrução da forma, porém não se modificaram as cores, apesar de que agora estas deixam sua essência primária para fundir-se numa exuberante paleta mista. E esta abstração que nos apresenta Dirce descende, sem dúvida, de formas estudadas em longas sessões de pintura, como num rito repetitivo, mesmo que disso a artista não se dê conta. O termo “Intervalos” me veio à mente pela ideia de como se desenvolve o trabalho da pintora, isto é, o desenho de pequenas ilhas coloridas de claros contornos, agrupadas lado a lado, por vezes invadindo-se umas as outras, com representações distintas, tudo isso constituindo um universo estranho ao olhar. Apenas um desses trabalhos me pareceu diferente por lembrar La Danse, de Matisse, em que, como na obra famosa, uma sequência de cores  se dão as mãos e bailam harmonicamente em círculo. É a única obra que destoa entre todas. Procurei saber o que pensa a artista quando pinta esses quadros distanciados dos cânones, e ela me diz que apenas começa a pintar, e então pensa e as manchas de tinta acontecem, o que é a sua forma de criar. A resposta poderia parecer insolente se estivéssemos diante de alguém que escolhe a fase lua para trabalhar. Acontece que Dirce pinta compulsivamente e para tanto busca, antes de tudo, o gestual do qual irá plasmar-se uma obra sem concessões. Estão ali nos trabalhos da artista os quatro elementos (e esta é uma licença minha em imaginar): água, terra, fogo e ar. Contudo, não existe paz entre eles, que brigam entre si, cada qual disputando o melhor espaço sobre o suporte. Trata-se de pintura nervosa e decidida esta da artista Dirce Fett. O termo “Intervalos” também define para mim o lapso de tempo decorrido entre aquela primeira vez em que conheci os quadros de Dirce e hoje: uma mudança significativa e levada à maturidade em curtos anos."

 

Paulo C. Amaral

Artista plástico e curador 

da Academia Brasileira de Belas Artes, RJ

Inverno de MMXVII